Happy positive ethnic young woman types message or dials telephone number on phone, drinks takeaway coffee, uses online mobile application, searches web, reads blog and chats in social networks

As redes sociais como resposta da interação humana

O ser humano é um ser social. Desde seus primórdios, o indivíduo aprendeu a ser reunir em grupos para facilitar sua sobrevivência, sendo esta união parte importante de seu processo evolutivo.

Com o advento da internet, sua maior penetração e aceleração das tecnologias de comunicação como um todo, este processo de união passa a ter particularidades e dinâmicas próprias, que se desdobram na criação de novas formas de comunicação.

Se antes, na busca de momentos de lazer, havia a necessidade de deslocamento das pessoas, ou até mesmo uso dos telefones fixos, hoje, um simples clicar de botões permite que a interação ocorra, em qualquer ambiente que se estiver (fenômeno este ainda mais reforçado diante das restrições da pandemia e realidade de isolamento, home office).

Sob este ponto de vista, percebe-se que a mudança é sútil, apesar de em um primeiro momento se parecer em muito disruptiva. A sutileza vem da transformação do comportamento em forma de interação e em escala, e não em seu conteúdo, pois sempre social-relacional. Isto é chave para o entendimento do papel que as redes sociais representam para o indivíduo, pois, em essência, são a substituição de um comportamento anterior já existente. Claro, em outros formatos, potencializados pela tecnologia.

As redes sociais atingem um desejo oculto do consumidor, aumentando a percepção de benefício de sua utilização (seja ele de interação, agilidade, conveniência ou de tempo), e em razão disso crescem e se manifestam de maneira quase que espontânea.

Como forma de manifestação social, também dependem, em muito, das culturas, pois interagem sobre elas e para elas. Em razão disso, diferenças de comportamentos entre ferramentas sociais entre países, ou mesmo dentro de nosso grande Brasil regionalizado, são sentidas, com necessidade de entendimento de linguagens e expressões locais.

O entendimento do compartilhamento das informações é chave para o correto direcionamento das mídias sociais do ponto de vista empresarial. O ato de compartilhar, de engajar e de permitir a troca faz parte do conceito e da aceitação do indivíduo do uso da ferramenta. A comunicação, aqui, nunca é unilateral.

De maneira generalista, pode-se listar 4 objetivos básicos de divulgação em redes sociais:

Comunicação: caráter informativo dos acontecimentos do dia a dia, de ofertas, transparência institucional, eventos. É a simples divulgação das atividades, como forma de manter o consumidor atualizado (gerando, por vezes, ações de compra imediata como no caso das ofertas)

Colaboração: iniciativas que convidam o consumidor para seu mundo, chamando-os para fazer parte do processo de decisão. Os consumidores, cada vez mais, querem se tornar parte do processo e se sentir ouvidos em suas demandas individuais. A rede social é uma forte ferramenta para a obtenção das informações e estabelecimento deste tipo de relação.

Educação e/ou conteúdo: elemento chave para as redes sociais, com a divulgação de conteúdos de interesse do usuário e seu constante aprimoramento, como forma de gerar curiosidade, engajamento, visão de especialista.

Entretenimento: as redes sociais possuem, em maior ou menor grau, um caráter de lazer a ser considerado. As pessoas as utilizam, muitas vezes, como forma de se desligar do mundo ao redor, se permitindo alguns minutos de pensamentos diversos e fora de sua rotina. Se bem explorado, o potencial de entretenimento gera o retorno necessário e o estabelecimento de relacionamento de longo prazo entre empresa-consumidor via rede.

O tom de cada um destes pilares, bem como seu formato de utilização dependerão de um correto entendimento do objetivo fim da empresa junto a rede, bem como a definição de uma estratégia adequada que considere todas as nuances comportamentais de seu público-alvo. E estas nuances nunca são, ou serão fixas (assim como o próprio comportamento do consumidor não é).

Nos resta apenas uma certeza: independente da rede e linguagem que se adote, a tendência de comunicação em redes digitais permanece, se intensifica e cresce.

Patricia Cotti

Head de Business Modeling Driven.CX
Diretora Executiva IBEVAR
Embaixadora MNE
LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/patriciacotti/

Tags: No tags
3

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *